Será que “somos a web”?

No início deste mês as discussões globais sobre governança da internet esquentaram novamente. Enquanto muitos discutem o poder de participação do usuário na web 2.0, 3.0, 4.0… o debate sobre os recursos críticos e as políticas públicas de privacidade, segurança e neutralidade na grande rede ganhou destaque às vésperas da reunião da União Internacional das Telecomunicações (ITU). Em feroz campanha contra possíveis mudanças na gestão dos nomes de domínios e no poder de governança da própria ITU sobre a web, a Google criou hotsite e apoiou a vídeos, infográficos e muitas mobilizações para defender sua postura evidentemente norte-americana.

Com o carismático título “Somos a web”, um dos materiais criados traz um belo infográfico com dados interessantes sobre a web atual.

Criaram também um vídeo questionando a competência da ITU para participação tão ativa na governança da internet.

Ao primeiro olhar parece que a gigante da internet está mais uma vez defendendo a liberdade de todos nós, pequenos usuários, e lutando pela manutenção da dinâmica aberta e criativa da rede. Porém, muitos críticos apontam o quanto o problema é mais complexo. Google e outras gigantes norte-americanas da internet atuam também em função de interesses políticos e nacionais que temem eventual descentralização do poder sobre a web e mesmo sobre a infra-estrutura da internet – atualmente ainda concentrado nos EUA.

No Brasil este debate localizado também está em curso nas discussões sobre o Marco Civil da Internet que coleciona adiamentos em Brasília. Alguns setores temem a pluralidade do CGI como nó legitimo para mediar a governança da internet no Brasil e pretendem concentrar os poderes em órgão como a Anatel. Estes e dezenas de outros pontos críticos como a neutralidade da rede e as políticas de privacidade são discussões vivas e atuais que decidirão o futuro próximo da internet.

Quanto maior a participação de pesquisadores, movimentos sociais, ativistas,  internautas críticos e representantes governamentais éticos, maiores as chances de evitar que a internet se torne uma gigante TV a cabo, como pretendem alguns setores econômicos e políticos. Que fiquemos atentos e possamos questionar, com olhares “densos, também esta temática em nossas pesquisas!

Mais:

Interessante análise sobre a reunião da ITU feita pela equipe do Observatório brasileiro de políticas digitais (CGI.br e FGV)

Site da Google “Tome uma atitude”

Rodrigo Nejm

É psicólogo pela Universidade Estadual Paulista UNESP/Assis-SP, doutor em psicologia social no Programa de Pós Graduação da UFBA e mestre em Gestão e Desenvolvimento Social pelo CIAGS/UFBA. Realizou intercâmbio acadêmico na graduação para estudar “Médiation Culturelle et Communication” na Université Charles de Gaulle Lille 3, França. Pós-doutorando PNPD-CAPES no PPGPSI-UFBA. Psicólogo e diretor de educação na ONG Safernet Brasil, responsável pela criação de materiais pedagógicos, pesquisas e campanhas educativas sobre Direitos Humanos e governança da Internet no Brasil. Tem interesse de pesquisa nas interfaces da psicologia com a comunicação, privacidade e sociabilidade de crianças e adolescentes nos ambientes digitais.

More Posts

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.