Facebook, Gerenciamento de Impressão e Breakdowns

Em um paper não tão recente assim (2010), mas nem por isso menos interessante e atual, Vladimir Barash – pesquisador da Cornell University, NY -, Nicolas Ducheneaut, Ellen Isaacs e Victoria Bellotti – esses últimos do Palo Alto Research Center, CA – analisam uma forma de gerenciamento de impressão “mais fluida”, a partir das atualizações dos status dos usuários, nos seus perfis do Facebook.

A proposta do trabalho, intitulado Faceplant: Impression (Mis)management in Facebook Status Updates é a de – através de dados coletados com um aplicativo desenvolvido para este fim – estudar tanto as impressões emitidas (given) quanto as transmitidas (given off), pelos usuários do Facebook, à medida que seus status são atualizados. A argumentação central dos autores é a de que, se por um lado os usuários do Facebook geralmente obtêm sucesso ao apresentar uma imagem positiva deles próprios, por outro tendem a subestimar a força das impressões que cultivam, encontrando-se apenas parcialmente conscientes desse processo.

Essa crescente consciência de que podemos saber sobre o próximo instante das ações dos nossos amigos do Facebook – inclusive por conta do redirecionamento entre sites de redes sociais distintos – pode implicar em interessantes formas de nos relacionarmos com os outros e de entendermos a nós mesmos, afirmam Barash, Ducheneaut, Isaacs e Bellotti. Ancorados pelas teorias de Goffman, eles argumentam que, tanto no Twitter quanto no Facebook, os usuários possuem consciência do processo de gerenciamento de impressões a partir das informações efetivamente emitidas (given).

Entretanto, o paper reitera que Goffman interessava-se pelos momentos em que os indivíduos “desligam-se” desse estado de consciência e cometem pequenos “deslizes”, a partir de informações transmitidas (given off). É nesse ponto que a pesquisa encontra sua motivação, ao mostrar que, no Facebook, esses momentos – chamados de breakdowns –, são muito comuns. A proposta de estudar os breakdowns através das micro-atualizações dos perfis nos diferentes sites de redes sociais, com foco nas given off informations, nos parece instigante e sugestiva de novas pesquisas.

A partir de uma categorização proposta pelos próprios autores, como forma de mensurar os tipos de fachada (face) existentes no Facebook, a pesquisa coletou dados de 100 usuários, durante 21 dias, resultando em 674 atualizações analisadas. Os resultados mostraram que as dimensões propostas pelos autores capturaram as impressões da maioria dos status atualizados, funcionando, portanto, como uma espécie de método próprio para análise do gerenciamento de impressões – outro aspecto que merece destaque, no trabalho em questão.

Para ler o paper completo – com os resultados da pesquisa -, segue referência:

BARASH, Vladimir; DUCHENEAUT, Nicolas; ISAACS, Ellen; BELLOTTI, Victoria. Faceplant: Impression (Mis)management in Facebook Status Updates. Proceedings of the Fourth International AAAI Conference on Weblogs and Social Media, 2010.

Thais Miranda

Thais Miranda é doutoranda em Comunicação e Cultura Contemporâneas (POSCOM/UFBA), com estágio doutoral na Université René Descartes, Paris V, Sorbonne (2013/2014) . É mestre em Administração (2010) e possui graduação em Comunicação Social (1999). Dedica-se à pesquisa sobre pornografia digital amadora e interações em ambientes digitais.

More Posts

Follow Me:
TwitterFacebook

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.